Quarto colocado do Freio de Ouro terá premiação

Foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

A partir deste ano, o quarto colocado do Freio de Ouro também será premiado. A medida já vale a partir do Bocal de Ouro e seguirá em todas as classificatórias e para a grande final. A medida foi aprovada por unanimidade em assembleia realizada pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC). A denominação do prêmio será escolhida pelo público em votação no site da entidade, que poderá optar por Freio de Cobre ou Freio de Alpaca
De acordo com o vice-presidente de Eventos da ABCCC, Eduardo Azevedo, o grande foco do prêmio é valorizar a função tanto quanto a morfologia, que já premia quatro exemplares nas exposições. Reforça que este era um pedido antigo dos associados e aficcionados pela raça. “Além de termos uma demanda grande de pessoas que sugeriam a existência desta medida, a ideia é igualar à premiação da morfologia, atingindo mais um Cavalo Crioulo”, destaca.
A medida foi aprovada pelos criadores presentes na Assembleia da ABCCC. Gilberto Freitas, da Cabanha Santa Fé, de Taquara (RS), um dos criadores que votou a favor, reforça também que o prêmio para o quarto colocado do Freio de Ouro é importante por valorizar a funcionalidade da raça Crioula. “Isso demonstra que a função é tão importante quanto à morfologia”, acrescenta o criador.
A votação estará disponível até o dia 15 de março de 2017 no site da ABCCC (www.abccc.com.br)
Texto: Marina Bonati/ABCCC

ABCCC – 85 anos de evolução

* Eduardo Suñe
Já faz muito tempo, desde que o homem do campo entendeu que poderia utilizar o cavalo como ferramenta auxiliar ao seu trabalho, que esse animal se tornou mais do que simples condução. Sobre a sua garupa, fronteiras foram quebradas, territórios desbravados e novas formas de qualificar o serviço rural foram desenvolvidas.
Todas essas conquistas consolidaram o cavalo como extensão indispensável ao braço do campeiro. Mais especificamente, a raça Crioula – caracterizada pela rusticidade, versatilidade funcional e alta capacidade de adaptação – passou a ser reconhecida como a parceira ideal na administração das lidas, além de se destacar também no esporte e no lazer.
Esse reconhecimento, porém, exigiu muita organização, empenho e dedicação. E foram essas características, somadas à afeição e apego do gaúcho ao seu cavalo, que nortearam os visionários que, há 85 anos, idealizaram uma entidade capaz de unir e incentivar os seus associados a trabalhar em favor de uma raça.
Desde 1932, a Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC) atua sob os mesmos preceitos: preservar, melhorar e difundir a raça Crioula no Brasil. E assim vem sendo, através de tantos homens e mulheres que se sucederam nos mais diversos cargos e funções ligadas à entidade e que, de alguma forma, deram a sua contribuição com a evolução dos serviços prestados por ela.
Passadas oito décadas e meia desde sua criação, hoje temos orgulho de fazer parte do quadro de uma instituição reconhecida como uma das maiores associações de raça no país, respeitada pela credibilidade e considerada uma referência em gestão técnica e administrativa. Durante todo esse período, a ABCCC profissionalizou a sua atuação, modernizando os seus métodos sem deixar de valorizar a tradição da sua cultura.
Seu trabalho fez a raça tornar-se conhecida e admirada em todo o país. Mais do que isso, deu luz à multifuncionalidade do Cavalo Crioulo provando que, além de incansável no serviço, ele também poderia ser um excelente atleta nas mais diversas modalidades dos esportes equestres e ainda um belo e dócil companheiro nas cavalgadas e atividades de lazer em família.
Esse amplo leque de opções associadas à raça possibilitou a sua expansão pelo país, e o colocou entre as maiores manadas de equinos do Brasil. O Cavalo Crioulo, reconhecido por lei como o animal símbolo do Rio Grande do Sul, é atualmente o responsável por um complexo econômico que movimenta cerca de R$ 1,28 bilhão e gera mais de 280 mil postos de trabalho por ano no país, segundo levantamento feito pela Esalq/USP.
Toda essa evolução, no entanto, não satisfaz as nossas aspirações. Queremos, e temos a convicção de que é possível, crescer ainda mais. E vamos trabalhar muito por isso. Mantendo os mesmos preceitos que nortearam aqueles que, lá no início, fizeram essa realidade possível: a qualificação criteriosa e fundamentada, mirando o futuro sem abdicar de nossas raízes.
* Presidente da ABCCC

AgroCampo comemora um ano de atividades

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

A AgroCampo, de Pantano Grande, comemorou no sábado (11) o seu primeiro ano de atividade com um evento campeiro, no Parque de Eventos Rebenque Velho. A festa reuniu mais de 50 pessoas, que participaram de provas campeiras durante o dia. Crianças e adultos se divertiram nas provas de tambor, baliza, estafeta e tiro de laço em vaca mecânica. Segundo a proprietária da loja, Maiara Bertoldi, o evento foi bem produtivo e todos se divertiam em provas que tinham como objetivo incentivar a interação com cavalos. “Algumas destas provas não são mais realizadas nos rodeios, então esta foi uma oportunidade de resgatá-las e apresentar aos mais novos como uma forma de divertimento diferente”, conclui.

O evento também teve cunho social, pois a inscrição para participar era um quilo de alimento, que será doado para o Asilo Dois Cerros, de Pantano Grande e o orfanato Mari Taranja, de Rio Pardo, ao todo foram mais de 90 quilos arrecadados.

A AgroCampo é especializada em produtos para o campo e está situada ás margens da BR 290, em Pantano Grande, próximo ao Posto Nevoeiro.

Final do Crioulaço vai distribuir mais de R$ 70 mil em prêmios

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

A modalidade que movimenta o maior número de participantes dentro do ciclo da raça Crioula já tem programação definida. O Crioulaço, promovido pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC) está de volta ao Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS), de 21 a 23 de abril. Serão distribuídos aos vencedores das 12 categorias mas de R$ 70 mil em prêmios.
Um dos objetivos da ABCCC nesta gestão, juntamente com a Subcomissão do Crioulaço, é valorizar cada vez mais o laçador. Em reuniões realizadas pela equipe de trabalho da modalidade, a ideia é cada vez mais reforçar a proximidade do público com o competidor. A busca pela melhoria no desempenho dos conjuntos e das duplas em pista e da valorização da prova é um dos grandes pontos avaliados até então. Em 2016, as provas de laço realizadas pela ABCCC reuniram 1245 duplas em 150 eventos ocorridos pelo país.
A pista prevista para a competição será a do Freio de Ouro. Caso chova, as provas serão realizadas na pista P1. Conforme o coordenador da Subcomissão do Crioulaço, Fabiano Matter, o retorno da modalidade para o Parque de Exposições Assis Brasil será uma atração para os laçadores. “Hoje quando se fala em cavalo Crioulo a primeira coisa que se lembra é a pista de Esteio. Só neste mérito de trazer para a pista do Freio de Ouro, que é o sonho de todo o competidor correr ali, já vai mobilizar os competidores para chegarem à grande final”, salienta.
O Crioulaço vem mobilizando laçadores de todo o país. Na final do ano passado, por exemplo, os vencedores do circuito paulista de laço já estiveram presentes na competição e a expectativa é que novamente participem em 2017. Nos mais de R$ 70 mil distribuídos nos três dias de prova, serão R$ 25 mil para os vencedores da Força A, R$ 15 mil na força B e R$ 10,5 mil para os vencedores na Força C.
Confira a premiação dos primeiros colocados
Força A 1º lugar – R$ 10 mil
Força B 1º lugar – R$ 4 mil
Força C 1º lugar – R$ 2 mil
Laço Criador 1º lugar – R$ 1 mil e troféu
Laço Guri 1º lugar – R$ 600 e troféu
Laço Piá 1º lugar – R$ 500 e troféu
Laço Pai e Filho 1º lugar – R$ 600 e troféu
Laço Pai e Filha 1º lugar – R$ 600 e troféu
Laço Irmãos 1º lugar – R$ 600 e troféu
Laço Veterano 1º lugar – R$ 500 e troféu
Laço Feminino 1º lugar (até 12 anos) – R$ 500 e troféu
Laço Feminino 1º lugar (acima de 12 anos) – R$ 1,5 mil e troféu
Confira a programação
21 de abril (sexta-feira)
8h – Recepção dos visitantes e convidados
9h – Início das inscrições das modalidades e entrega dos coletes
13h – Laço Veterano, Laço Irmãos e Laço Taça Integração GSW Reboques (1 inscrição por dupla)
Força A: um reboque p/ um cavalo GSW reboques (para em 4 duplas ou menos)
Força B: R$ 2 mil (para dez duplas ou menos)
20h – Tertúlia Livre
22 de abril (sábado)
8h – Laço Criador, Laço Pai e Filho, Laço Pai e Filha, Laço Piá, Laço Guri, Laço Feminino até 12 anos, Laço acima de 12 anos e Laço Dupla Oficial
12h – Almoço (descanso do gado); Laço Dupla Oficial
19h – Abertura Oficial da Final Nacional do Crioulaço; Armada de Abertura (homenageados) e Ginetes do Freio de Ouro; entrega das premiações; show (a definir); raspadinha (se houver tempo)
23 de abril (domingo)
8h – Final Força C, B e A
Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Exposições da raça Crioula ocorrem em oito Estados brasileiros

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

As classificatórias para um dos maiores eventos da raça Crioula já têm datas definidas. As exposições morfológicas de passaporte habilitam os animais para a Final Nacional da Morfologia, que ocorrerá durante a Expointer 2017, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). Serão 18 seletivas realizadas do Sul ao Norte do Brasil. Os eventos serão realizados em Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal.
Conforme o vice-presidente de Eventos da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos, Eduardo Azevedo, a realização de etapas das exposições morfológicas em regiões de fomento, como Sudeste e Centro-Oeste do país, reafirmam o trabalho que vem sendo desenvolvido para difundir a raça Crioula em território nacional. “É muito importante para nós esta presença nestas regiões de fomento para divulgação da raça e abertura de mercados e estas exposições são fundamentais. Nosso plano é levar as exposições em primeiro lugar e depois trabalhar a realização de provas onde possamos mostrar o potencial morfológico e funcional do cavalo Crioulo”.
Os números comprovam esta evolução que vem sendo fomentada por estes eventos. Em 2016, de acordo com levantamento divulgado pela associação, o cavalo Crioulo chegou a um total de manada de 480,65 mil animais no país, alta de 4,35% no número de exemplares registrados. A Região Centro-Oeste, por exemplo, cresceu 7,27%, se consolidando como um dos destaques da expansão. Já o Sudeste fechou com alta de 4,69%.
Todas as mostras são organizadas pelos Núcleos de Criadores de Cavalos Crioulos das respectivas cidades que sediarão cada atividade. Já a Exposição Outonal, realizada em Esteio, é promovida pela ABCCC. A Prévia, última etapa de classificação dos animais para a Final Nacional da Morfologia, irá acontecer entre os dias 21 e 23 de julho, em Esteio (RS).
Confira o calendário
Londrina (PR)
31/3 a 2/4
Campo Grande (MS)
1 a 2/4
Outonal em Esteio (RS)
5/4
Pelotas (RS)
20 a 23/4
Uruguaiana (RS)
28 a 29/4
Bagé (RS)
5 a 6/5
Uberaba (MG)
04 a 6/5
São Lourenço (RS)
13 a 14/5
Araranguá (SC)
26 a 28/5
Caxias do Sul (RS)
26 a 27/5
São Borja (RS)
16 a 18/6
Avaré (SP)
22 a 25/6
Vacaria (RS)
24 e 25/6
Lages (SC)
30/6 a 2/7
Lavras do Sul (RS)
1 a 2/7
Pato Branco (PR)
7 a 9/7
Campo Verde (MT)
7 a 8/7
Brasília (DF)
13 a 15/7
Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Raça Crioula tem evolução de 4,35% no país em 2016

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

Apesar da turbulência política e econômica no Brasil em 2016, que trouxe muitas incertezas nos investimentos nas mais diversas áreas, o cavalo Crioulo continuou sua expansão pelo território brasileiro no ano passado. Conforme levantamento da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), o total de manada chegou a 480,65 mil animais no país, alta de 4,35% no número de exemplares registrados em relação à 2015, que foi de 460,61 mil.
Todas as regiões do país apresentaram crescimento percentual. A região Norte do Brasil teve alta de 7,47%, tendo liderado o ranking das regiões, seguido pelo Centro-Oeste, que vem sendo o grande destaque de expansão nos últimos anos, com 7,27%. Já o Sudeste fechou com crescimento de 4,69%, sendo seguido da região Sul, que concentra o maior número de animais, que finalizou o ano com alta de 4,3%. O Nordeste terminou 2016 com uma elevação de 4,14% na manada.
O presidente da ABCCC, Eduardo Suñe, avalia que o crescimento foi considerável mesmo em tempos de crise e retração dos investimentos. Para o dirigente, o trabalho desenvolvido pela entidade com a parceria dos núcleos locais foi determinante para o sucesso no ano de 2016. “Isso nos gratifica e nos dá a certeza que estamos no caminho certo”, observa.
Dois fatores motivaram a expansão, especialmente nas regiões de fomento, como Sudeste e Centro-Oeste. O primeiro foi o crescimento de usuários da raça Crioula, que são aqueles que não criam, mas dispõem de animais para o lazer e práticas esportivas. Além disso, o cavalo para trabalho em locais de pecuária extensiva, como Mato Grosso, Goiás, Tocantins e Bahia, que se destacaram no período passado, impulsionou os números de registros. “O agronegócio tem levado o Brasil nas costas. A pecuária brasileira hoje é uma das maiores do mundo. Nossa Raça é rústica, se adapta em todo o território e um de nossos focos é mostrarmos o nosso produto também como ferramenta de trabalho”, reforça Suñe.
O trabalho da ABCCC neste fomento também foi destacado pelo presidente da entidade. Só no ano passado foram realizados 948 eventos, entre exposições e provas funcionais, em diversas regiões do país. “Temos a certeza que o crescimento da raça passa principalmente pelas regiões do Centro e do Norte do país. Vamos seguir fazendo eventos de qualidade, mostrando a nossa raça, através de passaportes, exposições, fomentando esportes, usuários e famílias. Nossa ideia é que toda pessoa que goste de cavalos que venha a conhecer o cavalo Crioulo”, afirma.
Para 2017, de acordo com Suñe, além de manter a qualidade e diversidade de eventos, especialmente nas regiões de fomento, haverá também reforço nas ações de marketing da raça Crioula de forma a ampliar o plantel de cavalos Crioulos em todos os Estados brasileiros.
Manada Raça Crioula
REGIÃO          2015          2016         %
Centro Oeste 5.389 5.781 7,27%
Nordeste 338          352           4,14%
Norte   1.058 1.137 7,47%
Sudeste 7.897 8.267 4,69%
Sul             445.932 465.108 4,30%
Brasil          460.614 480.645 4,35%
Fonte: ABCCC


Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Federação tem sua prenda campeã no laço

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

A laçadora cachoeirense Leidy Festinalli venceu neste final de semana o Campeonato Gaúcho de Laço em Triunfo, durante evento no parque Camboatá. Leidy disputou o título com outras 60 prendas em dois dias de provas. No sábado ela venceu e levou para casa um reboque para cavalos e mais R$ 3 mil. Na disputa deste domingo ela venceu e ganhou como prêmio R$ 5mil. A disputa foi promovida pela Federação Gaúcha de Laço. Os bons resultados da cachoeirense não param por aí, no último final de semana, em Viamão, ela também venceu a disputa entre as prendas e levou uma moto zero.

Imagens Gaúchas agora é documento histórico

O Arquivo Histórico de Cachoeira do Sul recebeu da revista Imagens Gaúchas uma coleção completa da publicação. Foram destinados ao órgão os 20 exemplares já publicados. Segundo a historiadora Mirian Ritzel, os exemplares serão catalogados e ficarão à disposição do público para pesquisa. Para o editor da Revista Imagens Gaúchas, Marcus Tatsch, a inclusão da publicação no arquivo histórico é de suma importância para o tradicionalismo, a cultura do cavalo crioulo e das festas campeiras. “Agora a revista passa a ser um documento histórico e no futuro poderá servir de base para pesquisas, pois mostra a essência do Rio Grande do Sul”, disse Tatsch.

Imagens Gaúchas em Paris

foto: César Braga Oliveira

O fotógrafo paranaense César Braga Oliveira, não se esqueceu de levar seu exemplar da revista Imagens Gaúchas para a cidade luz, Paris, durante uma expedição fotográfica pela França em 2016. Oliveira registou-se com a revista em frente ao museu do Louvre, um dos maiores e mais famosos museus do mundo e também com a catedral de Notre-Dame ao fundo. A catedral, que iniciou a ser construída em 1163, testemunhou dezenas de acontecimentos históricos nestes mais de 800 anos. Ela também serviu de inspiração para o romance “O Corcunda de Notre-Dame”, de Victor Hugo, de 1831. “É muito importante a divulgação da cultura gaúcha e brasileira para o restante do mundo e também do cavalo crioulo, uma raça importantíssima para nós”, destacou o fotógrafo especializado em fotografia de cavalos.

Obra Prima da República Crioula vence em Pantano Gande

A égua Obra Prima da República Crioula, da Cabanha República Crioula, de Tupanciretã (RS), foi a grande estrela da exposição morfológica de Pantano Grande, evento que ocorreu sábado (26). A égua, filha de Desafio de Santa Edwiges e Festança do Tero foi a Grande Campeã das fêmeas e Melhor Exemplar da Raça. A exposição contou com 88 animais. Alexandre Araújo foi o responsável por organizar as filas e determinar os quatro machos e quatro fêmeas que melhor representam um bom exemplar. A supervisão técnica da exposição, que ocorreu no parque de eventos Rebenque Velho, foi do técnico Olmiro Alndrade Filho. Veja os outro vencedores abaixo:

 

Confira do resultado (ainda não homologado pela ABCCC):

 

Fêmeas

Grande Campeã e Melhor Exemplar da Raça

Obra Prima da República Crioula, filha de Desafio de Santa Edwiges e Festança do Tero;  criador e expositor Rodrigo Pacheco Teixeira, Cabanha República Crioula – Tupanciretã/RS

 

Reservada Grande Campeã

Luz Del Fuego 1808 Maufer, filha de AS Malke Sedutor-TE e Tranquila 217 Maufer; criadores e expositores Maurício e Fernando Lampert Weiand, Cabanha Maufer – Cruzeiro do Sul/RS

 

3ª Melhor Fêmea

Xereta da Macena, filha de Equador de Santa Edwiges e Malagueña da Macena; criador José Atílio Muricy e expositor Plasma Pavimentadora e Const. LTDA, Estância da Plasma – Taquara/RS

 

4ª Melhor Fêmea

Tropilha do Purunã, filha de Dom Carrasco do Purunã e Lichiguana do Purunã; criador Mariano Lemanski e expositor Leônidas Burtet, Agropecuária Burtet – Cachoeira do Sul/RS

 

Machos

Grande Campeão

Quebracho II da Ouro Branco, filho de Damasco da Ouro Branco e Estampa II da Ouro Branco; criador e expositor Erni Grieleber, Fazenda Ouro Branco – Camaquã/RS

 

Reservado Grande Campeão

Mapuche Gigolo, filho de Calfião Pandillero e Coscojera Cigarra; criadores e expositores Osvaldo e Renato Vacinaletti, Cabanha Mapuche – Pomerode/SC

 

3º Melhor Macho

Aquiles de Quaraci, filho de AS Malke Sedutor-TE e AS Malke Tequila; criadora e expositora Rosalie Tavares Negrini Jones, Cabanha Quaraci – Santa Cruz do Sul/RS

 

4º Melhor Macho

Campana Bordoneo, filho de Campana Viejo Padre e Campana Urca; criador e expositor Mário Móglia Suñe, Cabanha Campana – Bagé/RS

Seis novas subcomissões compõem a diretoria da ABCCC

Foto: Leandro Vieira/ABCCC/Divulgação

A busca por maior representatividade e aproximação de cada área ligada ao cavalo Crioulo resultou na criação de seis novas subcomissões dentro da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC). Dando voz às categorias como as compostas por Ginetes e Núcleos, além de garantir a formação de grupos com pensamento voltado especificamente às Novas Modalidades, Doma de Ouro, Bem-Estar Animal e Manifestações Culturais, eles também foram articulados para expor à diretoria a necessidade de cada segmento.
A ideia do presidente Eduardo Suñe foi concretizada com base em seus 12 anos de experiência na entidade, cuja atuação permitiu que o olhar direcionado ao universo da raça fosse aguçado sobre as demandas que surgem dentro e fora das pistas crioulistas. Explorando o universo de possibilidades da raça, a subcomissão das Novas Modalidades é considerada uma dos pontos chaves para dar continuidade ao fomento, assim como o incentivo direto à Doma de Ouro, que consolidou um grande espaço nas pistas e no coração dos competidores.
Com o novo momento, Núcleos e Ginetes também ganharam o espaço necessário para a troca de ideias e exposição de suas demandas. Assim como enfatiza Vanderlei Casagrande, coordenador de Núcleos. “É uma oportunidade para unir ainda mais a família do cavalo Crioulo e reduzir alguns problemas que por vezes acontecem”, enfatiza o dirigente.
O mesmo se aplica aos Ginetes, cujo comando foi colocado nas mãos de Guto Freire. No que diz respeito à subcomissão Cultural, o coordenador Rodrigo Bauer menciona que a iniciativa serviu como uma porta aberta para o incentivo – o que consolida ainda mais a presença do cavalo Crioulo como objeto acompanhante de melodias, além de explorá-lo como inspiração para demais manifestações culturais relacionadas.
Em meio a isso, há uma preocupação incessante envolvendo o Bem-Estar dos animais que movimentam a raça e suas devidas competições, cuja atenção existe desde muito antes das questões atuais relacionadas à Vaquejada. Com a formação de um grupo responsável por atuar neste segmento, e com a coordenação de Marcelo Cairoli, o planejamento para o futuro já está acontecendo e garante a continuidade do trabalho de proteção.
Texto: Marina Bonati/ABCCC

Jade do Ribeirão Bonito é a melhor em Encruzilhada

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

 

Jade do Ribeirão Bonito foi escolhida a Melhor Exemplar da Raça da 4ª Exposição Morfológica promovida pelo Núcleo Encruzilhadense de Criadores de Cavalos Crioulos (NECCC). O evento ocorreu no sábado (15)) no Parque Desidério Finamor, em Encruzilhada do Sul/RS. Participaram da mostra 44 animais, julgados pelo o jurado Rafael Annoni. Essa já e a segunda vez na atual temporada que a exemplar sai como Grande Campeã (a primeira foi em Novo Hamburgo), além de carregar na bagagem uma participação na Morfologia da Expointer 2016.

Na divisão dos garanhões, o colorado vindo de Santa Catarina, Mapuche Jangadero, foi quem conquistou o título de Grande Campeão. Um resultado que denota a qualidade do ainda iniciante exemplar, já que essa é apenas a segunda participação do macho em provas morfológicas.

Além da mostra oficial, houve avaliação da categoria Incentivo, com a presença de 22 animais com até dois anos de idade. A supervisão técnica das atividades esteve a cargo de Carlos Marques Gonçalves Neto, profissional credenciado à Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC).

 

Confira o resultado (ainda não homologado pela ABCCC):

 

Fêmeas

Melhor Exemplar da Raça, Grande Campeã e Campeã Potranca Maior

Jade do Ribeirão Bonito, filha de Macanudo do Itapororó e Honraria de Santa Edwiges; criador: Arison Jung e expositor Everton Boeck, Cabanha Boeck e CT Luciano Pinheiro, Encruzilhada do Sul/RS e Guaíba/RS

 

Reservada Grande Campeã e Reservada Campeã Potranca Maior

Basca Ainda, filha de Basco Onássis e Basca Ópera; criador Mariana Franco Tellechea e Filhos e expositor Leônidas Burtet e Filhos, Agropecuária Burtet, Cachoeira do Sul/RS

 

3ª Melhor Fêmea e Campeã Égua Prenhe

Excelência da Maya, filha de Índio da Escondida e Garoa da Boa Vista; criador Zuleika Borges Torrealba e expositor Leônidas Burtet e Filhos, Agropecuária Burtet, Cachoeira do Sul/RS

 

4ª Melhor Fêmea e 3ª Melhor Potranca Maior

Jogatina do Capão Redondo, filha de Fichero do Capão Redondo e Estampa do Capão Redondo; criadores Luiz Carlos e Antônio Carlos A. Py e expositor Tiago Sangiogo, Cabanha Pampero, Encruzilhada do Sul/RS

 

Machos

Grande Campeão e Campeão Potranco Maior

Mapuche Jangadero, filho de Calfião Pandillero e Coscojera Cigarra; criadores e expositores Osvaldo e Renato Vacinaletti, Cabanha Mapuche, Pomerode/SC

 

Reservado Grande Campeão e Campeão Potranco Menor

Farrapo do Purunã, filho de Vingador do Purunã e Viúva do Purunã; criador Mariano Lemanski e expositor Leônidas Burtet e Filhos, Agropecuária Burtet, Cachoeira do Sul/RS

 

3º Melhor Macho e Campeão Cavalo Adulto

Legado 307 do Cerro Velho, filho de Piraí 1569 do Brazão e São Martim Estampada; criador Lisandro Paz Lopes e expositores Ivan e Andreia Saraiva, Cabanha AS Anny e CT Mesteño, Rio Pardo/RS

 

4º Melhor Macho e Reservado Campeão Cavalo Adulto

Casmurro Cala Bassa, filho de Piraí 1569 do Brazão e Feiticeira Cala Bassa; criador Marcelo Rezende Móglia e expositor Manoel Luiz Soares de Macedo, Estância do Gerivá, Dom Pedrito/RS

 

 

 

JI Osso Duro e Excelência da Maia vencem em Cachoeira

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

A seleção dos melhores exemplares da raça não para e, desta vez, os olhos estiveram voltados à cidade de Cachoeira do Sul/RS. A exposição que reuniu 47 participantes confirmados chegou ao fim na tarde de sábado, 1º de outubro, e distribuiu as devidas escarapelas aos quatro machos e quatro fêmeas que exaltaram as características fiéis do cavalo Crioulo.

 

Sob a supervisão técnica de Carlos Marques Gonçalves Neto – credenciado da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), e a minuciosa avaliação do jurado Marcelo Telechea Caroli, o macho JI Osso Duro e Excelência da Maya foram os responsáveis por receber o prêmio máximo da competição.

 

Clique aqui e confira a Galeria de Fotos completa do evento

 

Confira o resultado (ainda não homologado pela ABCCC):

 

FÊMEAS

Grande Campeã

Excelência da Maya, filha de índio da Escondida e Garoa da Boa Vista; criadora Zuleika Borges Torrealba, expositor Leônidas Burtet, Agropecuária Burtet, Cachoeira do Sul/RS

 

Reservada Grande Campeã

Morocha da Boa Vista, filha de Dom Carrasco do Purunã e Baliza da Cabanha Gaúcha; criador Fazenda Boa Vista e expositor Leônidas Burtet, Agropecuária Burtet, Cachoeira do Sul/RS

 

3ª Melhor Fêmea

Gemada da Fertilitá, filha de Sedutor Tupambaé e Gema Tupambaé; criador e expositor Eduardo Salomoni, Cabanha Fertilitá – Candiota/RS

 

4ª Melhor Fêmea

Brisa do HCG, filha de Expresso do Elebê e Tulipa do Helebê; criador e expositor Helio da Costa Garcia Junior, Cabanha HCG – Cachoeira do Sul/RS

 

 

MACHOS

Melhor Exemplar da Raça e Grande Campeão

JI Osso Duro, filho de Buenaço da Maior e JI Canastra; criadora e expositora Inês Nicoloso de Castro, Estância Santa Inês – Bagé\RS

 

Reservado Grande Campeão

Casmurro Cala Bassa, filho de Piraí 1565 do Brazão e Feiticeira Cala Bassa; criador Marcelo Rezende Móglia e expositor Manoel Macedo, Estância do Gerivá – Dom Pedrito/RS

 

3º Melhor Macho

Campana Rumo Certo, filho de BT Faceiro do Junco e Gringa do Aceguá; criador Mário Móglia Suñe e expositor Condomínio Rumo Certo, Cabanha Miramont – Cachoeira do Sul/RS

 

4º Melhor Macho

Faraó do Purunã, filho de Del Oeste Mutante e Pata Braba do Purunã; criador Mariano Lemanski e expositor Willy Haas Filho, Fazendas Irapuá – Cachoeira do Sul/RS

Final do Movimiento a La Rienda é decidida no desempate

Foto: Everton Souza Marita/ABCCC/Divulgação

Uma prova tradicional em países como Argentina e Chile vem conquistando adeptos no Brasil. A final do Movimiento a La Rienda, que invadiu a noite da sexta-feira, 2 de setembro, na pista do cavalo Crioulo do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS), durante a Expointer, consagrou o conjunto formado pelo ginete Marcelo Renato de Souza e Escaramuça da Santa Marta do Jóca como os vencedores da categoria Profissional A.
A vitória de Souza veio depois de um desempate com Rubens Branco montando General da Judá. “Eu treinei muito para essa prova. Me preparei muito. Eu venho há um tempo correndo atrás do resultado e por isso me considero um merecedor desse resultado. E a pista de hoje estava bem pesada, difícil, até as notas não foram tão altas. Ainda assim tivemos nível elevado de provas”, salienta.
Para o jurado argentino Luis Bustos, que acompanha desde a primeira edição da final brasileira, o nível de prepearo dos competidores vem evoluindo a cada ano que passa. “Todos os anos cresce o nível dos ginetes e dos cavalos. E agora me surpreendi, porque também vejo que entre os jurados novos há um nível muito bom. Alguns melhores do que os da Argentina. Creio que o Brasil está em condições de competir de igual para igual com a Argentina e também ganhar. Estou muito contente e orgulhoso de formar parte deste grupo mais uma vez” destaca.
Na categoria Profissional B, Reinaldo Kreusch no comando de Vento Negro da Robsur também apresentou uma performance excelente e levou o título. Na Amador A, a vencedora foi Rafaela Regina Wosniack montando Imperatriz da Saragana, enquanto na Amador B o primeiro lugar foi de Osmar Mosimann Neto montando Enrosco da Mal Abrigo. Na categoria Crioulos do Futuro, o lugar mais alto do pódio ficou com Cleiton Guimarães de Vargas, que montou Los Palos Cienfuegos.
Confira o resultado
Profissional A 
1º lugar
Marcelo Renato de Souza montando Escaramuça da Santa Marta do Jóca
Nota: 52,5 (desempate: 21,5)
2º lugar
Rubens Branco montando General da Judá
Nota: 52,5 (desempate: 18)
3º lugar
Marcelo Renato de Souza montando CAC Cajuru Decidida
Nota: 52
Profissional B
1º lugar
Reinaldo Kreusch montando Vento Negro da Robsur
Nota: 59
2º lugar
Luís Augusto Matte montando Sansão da Trinta e Oito
Nota: 54
3º lugar
Rodrigo Marciel Pereira montando Villa Verde Jaguar
Nota: 50
Amador A
1º lugar
Rafaela Regina Wosniack montando Imperatriz da Saragana
Nota: 52
2º lugar
Mário Pires montando Obstinado do Infinito
Nota: 51,5
3º lugar
Thiago Cortês Linhares montando El Entrevero Pesadelo
Nota: 48
Amador B
1º lugar
Osmar Mosimann Neto montando Enrosco da Mal Abrigo
Nota: 45
2º lugar
Nelso Mees Júnior montando General da Judá
Nota: 43,5
3º lugar
Jean Carlo Cardoso montando Basco Tamarindo
Nota: 43
Crioulos do Futuro
1º lugar
Cleiton Guimarães de Vargas montando Los Palos Cienfuegos
Nota: 43,5
2º lugar
Odair José do Amaral montando Mapuche Isaura
Nota: 41
3º lugar
Odair José do Amaral montando Mapuche Ibiza
Nota: 40,5
Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective e Andressa Barbosa/ABCCC

Crioulo representa 74% do faturamento de animais na Expointer

Foto: Giovani Vieira/Divulgação

A combinação de tradição com o alto padrão técnico do trabalho realizado por criadores, expositores e ginetes de cavalo crioulo resultou em vendas expressivas na Expointer. Segundo números repassados por leiloeiros rurais, o faturamento da raça no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS), totalizou R$ 8,79 milhões, se tornando novamente o maior volume de vendas da feira quando se fala de animais.

Durante a mostra agropecuária, entre 27 de agosto e 4 de setembro, foram realizados oito remates. Juntos, foram responsáveis por 74,6% das vendas totais da Expointer 2016. O governo do Estado divulgou neste domingo os números alcançados na trigésima-nona edição da feira, em coletiva de imprensa. O total de negócios fechados na comercialização de animais foi de R$ 11,77 milhões.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), José Luiz Laitano, raça mais uma vez foi o destaque de comercialização na feira. “Foi altamente positivo esse volume de vendas e a liquidez do cavalo crioulo. Essa oferta que estava exposta com compradores de vários Estados mostra que a expansão não é mais um projeto mas uma realidade. A raça é a grande locomotiva de vendas da Expointer”, afirmou.

No total, os oito remates comercializaram 280 lotes entre animais inteiros, cotas, embriões e coberturas. O mais valorizado foi a venda da égua Guria Bragada da Vendramin, no remate da Estância Vendramin, realizado no dia 25 de agosto, vendida por R$ 350 mil.

Texto: Larissa Mamouna/AgroEffective

Delfino Carvalho com ronda e fandango dia 19

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

O PL Delfino Carvalho realizará sua ronda crioula e fandango da 53ª Semana Farroupilha de Cachoeira do Sul no dia 19 de setembro, no CTG Tropeiro da Lealdade. A ronda inicia cedo, às 6h, com alvorada festiva e café de chaleira. Às 10h acontece uma missa crioula seguido de mateada no galpão de fogo. Na parte da tarde acontece a gincana cultural e o fandango para pias. À noite o fandango será animado pelo grupo Os Serranos.

Os ingressos para o fandango já estão à venda e podem ser comprados nas Botas Balardin e na Pampa Agrícola, ou pelo telefone 98363416. O primeiro lote custa R$ 25,00 e o segundo R$ 30,00.

Núcleo Encruzilhadense com exposição em outubro

foto: Marcus Tatsch/Imagens Gaúchas

O Núcleo Encruzilhadense de Criadores de Cavalos Crioulos promovera sua exposição morfológica anual no dia 15 de outubro. Este é o terceiro ano do Núcleo, que nesta edição irá inaugurar sua nova sede, junto ao parque de eventos do Município. As Atividades iniciam no dia 14, com concentração de machos, revisão coletiva e inauguração da sede social. No dia 15 acontece a exposição morfológica e no domingo prova de campereada. O jurado da Exposição será Vinicius Guedes de Freitas, com supervisão técnica de Carlos Marques Gonçalves Neto.

Importante: As inscrições podem ser feitas pelos telefones: (51) 95041647 – 99533067 – 99951757

Eduardo Móglia Suñé vence eleição para presidência da ABCCC

Foto: Everton Souza Marita/ABCCC/Divulgação

A nova figura representativa de uma entidade que há 84 anos movimenta o Brasil foi definida no final desta quarta-feira, dia 31 de agosto. Eduardo Móglia Suñé foi eleito para assumir a presidência da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC) no biênio 2016/2018. Ao todo, 1.511 votos foram contabilizados nas urnas, sendo 803 a favor da chapa da situação – liderada por Suñé. O candidato Marcelo Rezende Móglia, da chapa 2, teve 708 votos.
Eduardo é administrador especializado na área rural e há 30 anos atua no julgamento morfológico e funcional da raça Crioula. O proprietário da Cabanha Quilero, localizada em sua cidade natal, Bagé (RS), tem somado em seu histórico cargos de presidência e vice-presidência em entidades ruralistas, como o Núcleo de Criadores de Cavalos Crioulos (NCCC) de Bagé e Associação Rural Bajeense (presidente e vice), além da atuação na ABCCC como vice-presidente de Núcleos – função ocupada antes de se candidatar ao pleito.
De acordo com o criador, em seu depoimento oficial, a prioridade foi e sempre será o cavalo Crioulo. “A ideia é trabalhar com ainda mais afinco pela raça, com a nossa experiência. Eu fiquei muito feliz de chegar aqui neste momento e todos que quiserem agregar são bem-vindos”, declarou.
Confira a mesa diretora eleita
DIRETORIA EXECUTIVA
Presidente: Eduardo Móglia Suñe
Vice-presidente Administrativo Financeiro: César Augusto Rabassa Hax
Vice-presidente de Eventos: Eduardo Neto de Azevedo
Vice-presidente Técnico: Luiz Martins Bastos Neto
Vice-presidente de Comunicação e Marketing: Onécio Silveira Prado Júnior
Vice-presidente de Núcleos: Fabrício de Assis Rossato
1º Secretário: Ricardo Felipe Sperotto Terra
2º Secretário: Luís Augusto Weber
1º Tesoureiro: Cassio Rodrigo Panitz Selaimen
2º Tesoureiro: Francisco Carlos Habowsky
CONSELHO DELIBERATIVO TÉCNICO
Mário Móglia Suñe
João Luís Arísio
Álvaro Dumoncel
Luís Fernando da Rocha Peccinin
João Francisco Silveira Silveira
CONSELHO FISCAL
Elisabeth Amaral Lemos
Miguel Scarpellini
Gilberto Rodrigues de Freitas
Texto: Redação ABCCC
Mais informações sobre a ABCCC

Cala Bassa faz dobradinha nos grandes campeonatos da raça Crioula na Expointer

Foto: Felipe Ulbrich/ABCCC/Divulgação

A égua Dinastia Cala Bassa, das Cabanhas Firmeza e Cala Bassa, em Aceguá (RS) fez bonito na pista do cavalo Crioulo na Expointer 2016 nesta terça-feira, 30 de agosto. Conquistou o título da Morfologia da raça no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS). A decisão levou em consideração, por exemplo, a análise das proporções, do equilíbrio corporal e da qualidade dos movimentos entre 226 animais que participaram da competição organizada pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC).
O investimento em genética de qualidade e o trabalho em equipe foram atribuídos pelo proprietário da Cabanha Cala Bassa, Marcelo Móglia, para a vitória. “Concorremos aqui com no mínimo de seis a sete gerações, um volume grandíssimo de participantes. Então é uma satisfação, uma recompensa pelo trabalho árduo e difícil que temos no dia a dia, uma recompensa para os cabanheiros, para a equipe toda, a família incluída nesse projeto que é o cavalo crioulo”, comemorou.
Móglia que também foi vencedor na Categoria Machos com o cavalo Esquivado Cala Bassa, dedicou ambos os prêmios ao seu avô e seu pai. “Não é fácil e vai ficar marcado na história as conquistas de grande campeã e grande campeão nas fêmeas e nos machos”, afirmou.
No total, foram dois dias de competição que este ano apresentou mudanças na forma de julgamento. Para esta edição, o concurso passou a contar com dois jurados: o criador Francisco Martins Bastos Sobrinho, e o técnico da ABCCC, Jorge Aginelo do Nascimento. A participação de um árbitro para auxiliar na avaliação também foi outra inovação e ficou a cargo do criador argentino Carlos Solanet.
Para Bastos foi uma honra muito grande entrar em uma pista como a de Esteio. “Um nível excepcional, uma evolução da raça e dos criadores. Os campeões são animais de extrema regularidade e modernos e é isso que valorizamos”, explica.
Confira o resultado
FÊMEAS
Melhor Exemplar da Raça e Grande Campeã
DINASTIA CALA BASSA
Criador: MARCELO MÓGLIA, BAGÉ-RS
Expositor:  PAULO GOMES MÓGLIA E MARCELO REZENDE MÓGLIA
Estabelecimento: CABANHA FIRMEZA E CALA BASSA, ACEGUÁ-RS
Reservada Grande Campeã
ERVA SANTA CALA BASSA
Criador: MARCELO MÓGLIA, BAGÉ-RS
Expositor: MARCELO MÓGLIA
Estabelecimento: CABANHA CALA BASSA, ACEGUÁ-RS
3ª Melhor Fêmea
CAMB CHULA 333
Criador: Irmão BASTOS, URUGUAIANA-RS
Expositor: IRMÃOS BASTOS
Estabelecimento: ESTÂNCIA ITAPITOCAI, URUGUAIANA-RS
4ª Melhor Fêmea
GUANABARA OTRA MÁS
Criador: LUIZ CARLOS DA SILVA CARVALHO JUNIOR, RIO GRANDE-RS
Expositor: LUIZ CARLOS DA SILVA CARVALHO JUNIOR
Estabelecimento: CABANHA GUANABARA, RIO GRANDE-RS
MACHOS
Grande Campeão
ESQUIVADO CALA BASSA-TE
Criador: MARCELO MÓGLIA, BAGÉ-RS
Expositor: MARCELO MÓGLIA
Estabelecimento: CABANHA CALA BASSA, ACEGUÁ-RS
Reservado Grande Campeão
ALFERES DO ORELHANO
Criador: HUGO MARIANI FILHO, CARAZINHO-RS
Expositor: HUGO MARIANI FILHO E GILBERTO RODRIGUES FREITAS
Estabelecimento: CABANHA DO ORELHANO E SANTA FÉ, CHAPADA-RS
3º Melhor Macho
QUERENDON DO RECANTO CRIOULO
Criador: ADELMO HESS, BARRA VELHA-SC
Expositor: ADELMO HESS, VINÍCIUS CARDOSO DOS SANTOS
Estabelecimento: ESTÂNCIA TRÊS COXILHAS E CABANHA MELODIA, BARRA VELHA-SC E SANTIAGO-RS
4º Melhor Macho
VIRAGRO RIO BRAVO
Criador: VIRAGRO AGROPECUÁRIA LTDA, CURITIBA-PR
Expositor: VIRAGRO AGROPECUÁRIA LTDA
Estabelecimento: CABANHA A TALA, DOM PEDRITO-RS
Texto: Larissa Mamouna/AgroEffective

Expositores e ginetes projetam disputa acirrada no Freio de Ouro

Mais uma vez a pista do cavalo Crioulo no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS), deve registrar grandes emoções para a final do Freio de Ouro, que ocorre de 24 a 28 de agosto. Ainda antes da abertura dos portões para a trigésima-nona edição da Expointer, os conjuntos classificados já estarão disputando o maior título da raça Crioula.
Depois de dezenas de credenciadoras e dez classificatórias, os expositores estão se preparando para a grande decisão. A Estância Vendramin, de Palmeira (PR), foi a que mais classificou animais para a final, com um total de cinco conjuntos. Entre eles está a fêmea Guria Bragada 181 da Vendramin, vencedora do Bocal de Ouro deste ano. A expectativa é chegar forte e repetir o feito de 2013, quando foram campeões do ciclo com a celebrada Oraca do Itapororó.
De acordo com o proprietário da Vendramin, Aldo Vendramin, o maior número de animais classificados para a final é o resultado de um projeto. “Esse trabalho veio de um planejamento de algum tempo. Para se ter uma ideia já temos um planejamento para 2017 e 2018. Não somos só criadores, somos selecionadores e aprendemos na prática acasalando linhagens que deram certo e este é o caminho a ser seguido”, salienta.
O criador ressalta que está confiante na participação deste ano e acredita no título, mas avalia que a decisão será acirrada pelo nível de crescimento dos animais da raça. “Somos muito competitivos. Nosso objetivo é participar com bastante confiança, vamos com animais bem preparados e acreditamos que estamos no páreo. O importante é torcer para a raça, pois a raça merece o melhor. Esperamos um bom espetáculo para mostrar o valor do cavalo Crioulo”, observa.
Entre os ginetes, Daniel Teixeira bateu todos os recordes na temporada e vai para a final com nada menos do que 13 animais. A conquista, segundo o treinador, se deu graças ao conjunto de profissionais que levaram a este resultado. “Isso se deve ao trabalho de uma equipe muito boa, do veterinário ao ferreiro, onde todo mundo pega junto e não tem hora e não tem dia que o pessoal não esteja à disposição. O apoio da família também vem sendo fundamental”, revela.
Para Teixeira, todo ano é percebida a evolução de treinamento dos cavalos e da dedicação dos proprietários para o Freio de Ouro, o que contribui com o crescimento da modalidade. Sobre a final, o ginete acredita que será uma competição acirrada. “Este ano temos cavalos comentados, mas não temos favoritos. A disputa está aberta tanto para machos quanto para fêmeas, pois temos muitos animais com qualidade”, ressalta.
O circuito do Freio de Ouro, que neste ano chega a sua trigésima-quinta edição, conta com o patrocínio de Ipiranga, Massey Ferguson, Ford e com o apoio da Supra. A organização do evento é da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC).